Make your own free website on Tripod.com

Biblioteconomia

Conclusão

Principal
As Leis
Conclusão

Subjacente a todas as leis, podemos observar que Ranganathan nos leva a todo momento a um movimento do pensar que preconiza e discute a postura do bibliotecário, como um profissional que tem por função possibilitar o acesso à informação. Informação que não deve ser encarada como uma entidade que somente carrega bits e bytes, mas como uma das possibilidades do ser humano de obtenção de conhecimento sobre o mundo que o cerca, podendo assim, iniciar o processo de transformação social, econômica, e por que não, ética.

O profissional que atua nesta área deve ter bastante discernimento e visão do seu papel, que não é o de somente repassador de informação, mas de uma pessoa que deve ter a postura de um educador, que se preocupa com a qualidade da informação que repassa, de como repassa e para quem repassa. Pois o conhecimento registrado em qualquer veículo informativo tem um papel social, que na maioria das vezes, para não afirmar sempre, pode ser transformador.

Assim, quando enunciadas as Cinco Leis da Biblioteconomia, elas se restringiam ao contexto da Biblioteca. Hoje, com o desenvolvimento das atividades biblioteconômicas, elas podem ser perfeitamente aplicadas em todos os Serviços de Informação, que envolvem as atividades de profissionais que estão entre o produtor de conhecimento e o necessitador de informação.

Atualmente, elas poderiam até ser aplicadas ao Setor Quaternário, setor em que o objeto dinamizador é a informação, cuja disseminação leva em conta critérios visando a análise do poder de transformação/paralização, libertação/manipulaçãp, entendimento/ignorância, que acabam por exigir um repensar constante dos profissionais que lidam com a informação quanto à sua postura ética. Uma ética que preconiza a revitalização dos valores, de novos e de velhos valores que devem ser repensados.

Notas

[1] A maioria dos artigos publicados sobre as "Cinco Leis" discutem o papel das leis dentro de uma atividade biblioteconômica como a seleção de documentos, a classificação, etc.

[2] Poderíamos dizer que neste momento Ranganathan se refere ao que atualmente denominamos de perspectivas do autor.

Referências Bibliográficas

RANGANATHAN, S. R. The Five Laws of Library Science. Bombay: Asia Publishing House, 1967.

RANGANATHAN, S. R. Prolegomena to Library Classification. 4th ed. Bombay: Asia Publishing House, 1967.

SATIJA, M. P. Ranganathan: method & style. New Delhi: Kalyani, 1949.